Este ano marcou a melhor participação do Santa Cruz na Taça Cidade de São Paulo de Juniores, dentre as 24 equipes que iniciaram a competição, o tricolor ficou na 6ª colocação geral, sendo eliminado nas quartas-de-final. Esta competição marcou a ratificação dos novos talentos do tricolor, principalmente Válber e Rivaldo. Entre outros, destacaram-se: Bianor, Reginaldo, Isaías, Serginho e Binha.

A Campanha:
Santa Cruz 1x0 Guarani
Santa Cruz 4x0 Botafogo/SP
Santa Cruz 2x2 Palmeiras
Santa Cruz 0x0 Ponte Preta (vitória nos pênaltis por 5x3)
Santa Cruz 0x1 Grêmio
21/01/1992 - Santa Cruz 1x1 São Paulo (derrota por 2x1 na prorrogação)

O time base:
Isaías; Joquinha, Wéllington, Reginaldo e Hudson; Bianor, Williams (Paulo César) e Válber, Serginho (Flávio Rizzo), Rivaldo e Binha.
Treinador: Ramón
Fisicultor: Fernando Galvão.

Os artilheiros do tricolor no torneio foram Sérginho e Rivaldo com 3 gols cada um.


Ainda no Aeroporto, os juniores Válber (E) e Rivaldo (D) foram bastante assediados pelo destaque que tiveram na Taça São Paulo, principalmente o Válber, que foi bastante elogiado pelo então técnico da equipe profissional do São Paulo, Telê Santana, que não se conteve e foi até os vestiários conhecer o atleta após o jogo entre São Paulo e Santa Cruz pelas quartas de final.


Ramón sendo abraçado no Aeroporto, o treinador já tinha no currículo dois títulos Pernambucano dirigindo a equipe tricolor e ficou satisfeito com o 6º lugar na Taça São Paulo. Assim ele falou: "Continuem apoiando esses garotos, eles têm futuro, são grandes talentos e com espírito de profissionalismo. Viajamos quase 50 horas de ônibus e ninguém reclamou. Não houve nenhum incidente e a gente vê que o objetivo de cada um é vencer".

 
 
O atacante Serginho, artilheiro do time ao lado de Rivaldo.


Paulo Silva (Esquerda), Malhado (Centro) e Pessanha (Direita), foram os jogadores envolvidos na transação entre o Santa Cruz e Mogi Mirim. Os três custaram 30 mil dólares e vieram para o tricolor como contrapeso, para amortizar o valor total da venda dos atletas Válber, Rivaldo e Leto (vendidos por 54 mil dólares). Em troca do empréstimo do atacante Marcelinho, o Santa Cruz cedeu, também por empréstimo, os juniores Bianor e Reginaldo ao Mogi Mirim. No dia 04/02/1992 os jogadores embarcaram para São Paulo. (O diretor de futebol na época era Natan Alexandrino, que dizia estar fazendo um excelente trabalho. O presidente era Raimundo Moura e o Vice Edelson Barbosa)


1991 - Rivaldo Campeão Pernambucano na categoria juniores pelo Santa Cruz.



1999 - Rivaldo, destaque no Barcelona, é eleito o melhor jogador do mundo pela FIFA.



2002 - O meia atacante Rivaldo foi o cérebro da equipe que conquistou o pentacampeonato na Coréia do Sul/Japão. Além de armar as jogadas, Rivaldo terminou a Copa também como vice-artilheiro da competição, ao lado do alemão Klose, com cinco gols.


Valores das transações envolvendo Rivaldo:

1992 - Do: Santa Cruz  Para: Mogi-Mirim - Valor: Custou US$ 54 mil (Junto com Leto e Válber)
1994 - Do: Mogi Mirim  Para: Palmeiras - Valor: US$ 3 milhões
1996 - Do: Palmeiras  Para: La Coruña/Espanha - Valor: US$ 10 milhões
1997 - Do: La Coruña  Para: Barcelona - Valor: US$ 28 milhões


Saiba mais sobre Rivaldo Vítor Borba Ferreira




Válber não teve o mesmo brilho de Rivaldo, mas jogou em grandes clubes do Brasil: Em 1993 transferiu-se para o Corínthians, em 1995 foi para o Palmeiras e 1996 foi para o Vasco da Gama.



Lembranças do jogo:

0 comentários :