O torcedor aproveitou a promoção "Todos com a Nota" (contrato de parceria idealizado entre a Federação Pernambucana de Futebol, através do seu presidente, Carlos Alberto de Oliveira e o governo do estado de Pernambuco, através do governador Miguel Arraes) e compareceu em massa ao Arruda para prestigiar o clássico entre Santa Cruz e Náutico. Este seria o primeiro clássico do ano de 1998 e tornou-se também o 10º maior público de toda a história do estádio do Arruda: 66.204 torcedores (público total).



Vídeo com os melhores momentos da partida.
Este jogo foi transmitido ao vivo para todo o Brasil através do canal SPORTV.


Vídeo com os melhores momentos do 1º tempo
Narração: Luiz Carlos Júnior - SporTV


Vídeo com os minutos iniciais do 2º tempo
Narração: Luiz Carlos Júnior - SporTV




Resenha do Jornal Diário de Pernambuco - 09/02/1998:


Ninguém segura o líder

Cobertura:Ricardo Dantas Barreto, Everaldo Xavier e
Carlos Lopes
Da equipe do DIÁRIO

O Náutico manteve a invencibilidade no primeiro clássico do Campeonato Pernambucano, ao vencer o Santa Cruz, ontem, por 2x1, no estádio do Arruda. Os três gols saíram de bola parada, numa partida equilibrada, em que cada equipe dominou um tempo de jogo. O alvirrubro continua líder isolado do certame, com 12 pontos, enquanto o tricolor, que perdeu seu primeiro compromisso, permanece com sete, na quarta colocação, atrás do Sport e Porto. O público correspondeu às expectativas e 66.204 torcedores assistiram ao espetáculo.

O clássico começou corrido, com o Náutico melhor na etapa inicial. Pelo lado do Santa Cruz, Biliu, que estreou no Pernambucano, não estava bem fisicamente e o lateral-direito Edílson não conseguiu acertar os cruzamentos. Assim, os alvirrubros pressionaram mais e, aos oito minutos, o goleiro coral Marcos Garça fez a primeira defesa. Logo em seguida, o arqueiro saiu mal e Chapecó foi desarmado pela zaga, mas ganhou escanteio.

Pig cobrou o esquinado, a defesa do Santa Cruz apenas acompanhou abola e o estreante zagueiro Ricardo Rambo cabeceou no ângulo do gol para colocar o Náutico à frente no placar: 1x0. Os jogadores corais tentaram tirar o prejuízo e ensaiaram uma reação a partir dos 20 minutos. O atacante Célio recebeu na área, girou diante da zaga e mandou para fora. Depois foi o lateral-esquerdo Wellington quem arriscou de longe, fácil para o goleiro Ney. Em outras duas tentativas, através de César e André Jacaré, nenhum susto.

Sem o Santa Cruz chegar ao gol, o Náutico partiu para o ataque e quase ampliou o marcador numa falha de César, aos 33 minutos. O zagueiro saiu mal, chutou em cima do atacante adversário e a bola resvalou em direção à meta coral, mas Marcos Garça segurou. O goleiro tricolor fez uma bela defesa na cobrança de escanteio de Williams, aos 37, e ainda viu a bola passar por perto no erro do zagueiro estreante Tanta, que perdeu o lance para Chapecó.

REAÇÃO

O técnico do Santa Cruz, Ivan Gradim, reconheceu que Biliu estava emperrando o meio-de-campo e colocou o atacante Júnior Caruaru para tornar o time mais ofensivo. A mudança deu certo e os jogadores tricolores encurralaram o Náutico. Aos três minutos, Célio foi derrubado na intermediária, Marquinhos cobrou a falta com perfeição e empatou o jogo. O gol levantou ainda mais o moral dos donos da casa, enquanto os alvirrubros se fecharam em seu campo à espera dos contra-ataques.

Apesar de melhor, a equipe de Gradim não conseguia romper a defesa adversária e, até os 31 minutos, só teve três oportunidades, sem sucesso. Aos 33, foi a vez do Náutico ter uma falta ao seu favor, próxima à área. Humberto bateu bem colocada e fez o segundo gol, assegurando a vitória alvirrubra. Ivan Gradim substituiu Marquinhos, que estava cansado, por Alexandre, a fim de forçar os lançamentos e, ao mesmo tempo, segurar Chapecó.

Com 38 minutos de segundo tempo, o Santa Cruz passou a jogar com quatro atacantes, depois que Hugo Henrique entrou no lugar de Fabinho, que também apresentou cansaço. Foi neste instante que Tanta desperdiçou a chance de deixar tudo igual no placar. André Jacaré ganhou do zagueiro e tocou de lado. Tanta estava sem marcação de cara com o gol, mas acertou de canela e mandou por cima.

O Náutico, mais regular em campo, soube aproveitar melhor as oportunidades que teve para vencer o Santa Cruz, em pleno Arruda, enquanto o tricolor voltou a pecar nas finalizações.

Zagueiros e artilheiros

Os zagueiro Ricardo Rambo e Humberto, foram os herói do Náutico, no clássico contra o Santa Cruz, ontem, no estádio do Arruda. Eles marcaram os dois gols que deram a vitória ao time alvirrubro e tiveram uma atuação destacada na partida. Para eles, o triunfo foi importante, porque o clube dos Aflitos se mantém na liderança isolada do Pernambucano. Pig e Chapecó tomaram o terceiro cartão e não jogam contra o 1º de Maio, domingo.

"Tive muita sorte ao marca o primeiro gol da partida. Para mim foi maravilhoso porque estou trabalhando para me firmar como o titular da posição. Vencer um clássico é sempre muito importante. Vamos tentar manter a vantagem que temos na liderança", comentou Rambo.

Para Humberto, marcar gol de falta não é nenhuma novidade, porque "eu treino diariamente de 40 a 50 faltas e tenho me aprimorado bastante para fazer gols. Na primeira falta, o goleiro Marcos Garça fez bela defesa, colocando para escanteio, mas na segunda cobrança foi impossível ele pegar. A bola foi muito colocada. Daquipor diante, espero fazer outras cobranças com sucesso, pois estou trabalhando com este objetivo, apesar de ser um zagueiro", explicou.

Tricolores aprovados

Na avaliação do técnico Ivan Gradim, o Santa Cruz foi aprovado no clássico contra o Náutico, embora tenha reconhecido que o ataque voltou a pecar nas finalizações. "O elenco se comportou, em campo, como um time de futebol. Ninguém saiu dando chutão, criou lances trabalhados e foi pegador. Perdeu gols, mas isso vai acabar porque estamos trabalhando e os resultados virão. Estes atletas ganharão experiência jogando", comentou.

Para o treinador, o resultado foi injusto, considerando que o Santa Cruz teve mais volume de jogo, principalmente no segundo tempo. "Na etapa inicial, a equipe não foi tão ruim, mas dominamos na segunda", disse Gradim. Sobre a estréia do zagueiro Tanta, o treinador assinalou que o jogador precisará ganhar mais ritmo e só chegar ao ponto ideal atuando. Gradim também falou sobre as substituições e as justificou alegando que Marquinhos e Fabinho cansaram. Além disso, quando o Náutico recuou, precisava de alguém que chegasse bem pela esquerda e, por isso, colocou Alexandre.

O atacante André Jacaré reconheceu os erros nas finalizações, mas enfatizou a garra do Santa Cruz. "Foi um bom clássico, corrido e nós tivemos chance de vencer. Infelizmente não conseguimos concluir as jogadas que criamos. O importante é que estamos no caminho certo e temos de esquecer este resultado negativo", avaliou.
Lembranças do jogo:

0 comentários :